CONAPEG – I Congresso de Planejamento e Gestão da Carreira Musical

foto_0933 Em fevereiro você poderá participar gratuitamente do congresso CONAPEG. O I Congresso de Planejamento e Gestão da Carreira Musical. Serão 21 palestras que te auxiliará a mudar ou melhorar o rumo e chegar o sucesso na carreira musical.

APRENDA COMO PLANEJAR E GERIR SUA CARREIRA MUSICAL com Especialistas da Área, reunidos em um grande evento online, dedicado exclusivamente ao seu crescimento profissional!

Confira os nomes dos 21 palestrantes já confirmados para o 1º Congresso Nacional de Planejamento e Gestão de Carreira Musical, que acontecerá ONLINE entre os dias 15/02 a 21/02/2016:

conapeg

Marcos Chomen (Business Development Latin America da CDBaby), Filipe Callil(ClapMe), Eric Luciano (Músico e Fundador da Escola Atelier de La Musique),Vinicius Soares (Palco Digital), Barbara Hannelore (Cantora e Fundadora do Portal Viva de Música), Evandro Gracelli (Músico e Educador Musical), Lucas Xavier(Agência Império Criativo), Ana Tex (InstaNegócios), Luciano Magno (Músico e Produtor), Juca Novaes (Músico e Advogado), Priscilla Rocha (CEO da Geração Y),Robson César (Músico e Fundador do site ProfissaoMusico.com), Leandro Ribeiro(Gerente de Projetos do Brasil Music Exchange), Leo Moraes (Músico e Empresário),Demma K (Músico e Fundador do site guitarbrasil.com.br), Giu Finazzo (Músico),Bruno Ssouza (Fundador do Startup101), Gustaf Rosin (Músico e Empreendedor),MARÍLIA DE LIMA (Especialista e Consultora em Projetos e Eventos), Marcio Mourão(Músico e Fundador do site Super Video Aulas) e Dani Lima (Pro Play).

Com esse time ESPETACULAR, o intuito é promover a evolução profissional de músicos e atuantes na área, ajudando cada profissional a planejar e gerir melhor sua carreira, afim de alcançar o RECONHECIMENTO E O SUCESSO que merece!

Nos vemos lá!

APROVEITE TAMBÉM – Pré-Lançamento da Área Vip Conapeg – 1º Congresso Nacional de Planejamento e Gestão Musical

Tenha acesso a todas as palestras do 1º Congresso Nacional de Planejamento e Gestão de Carreira Musical e à uma série de ferramentas extras para ajudar você a potencializar seus resultados e alcançar seus objetivos profissionais: Evoluir na sua carreira, planejar, gerir e ser um músico de SUCESSO!

O congresso será transmitido online entre os dias 15/02 a 21/02/16 e o acesso vip liberado a partir de 01/03/16

VALOR PROMOCIONAL DE PRÉ-LANÇAMENTO!

Conteúdo Programático
-> 21 PALESTRAS EM VÍDEO:  Para assistir quando, onde e quantas vezes quiser dentro do período de 1 ano.

-> 21 PALESTRAS EM ÁUDIO: Todas as 21 palestras em áudio MP3 para ouvir no carro, correndo, trabalho ou como quiser, quando quiser!

-> BÔNUS EXCLUSIVOS E ESPECIAIS OFERECIDOS PELOS PALESTRANTES

-> E-BOOKS EXCLUSIVOS FORNECIDOS PELOS PALESTRANTES

-> ACESSO À COMUNIDADE EXCLUSIVA: Comunidade exclusiva no Facebook com todos os membros da área vip e os palestrantes.

 

Clique agora e faça a sua opção pelo VIP

PATROCÍNIO CULTURAL NÃO PRECISA SER VIA LEI DE INCENTIVO

@PROJETOSOs projetos e os patrocínios devem, e acontecem, independente de ter ou não uma lei ou edital de incentivo.

Para entender um pouco mais trouxe o primeiro “mecenas” Gaius Maecenas ou Caio Cílnio Mecenas (68-8 a.C.), conselheiro do imperador Cesar Augusto o filho de Júlio César. Ele criou a sua volta a permanência de amigos intelectuais e artistas. Era um patrocinador de todos, tornando-se um modelo para vários outros governantes e pessoas importantes. Tudo isso sempre com a intenção também de melhorar a própria imagem. ImagemDesde então, com toda essa fama e modelo copiado, o termo “mecenas” se tornou adjetivo para aqueles que patrocinavam as artes e os seus artistas. E claro esse patrocínio veio sempre com a contrapartida da fama e da boa imagem para quem o fazia.

Passados muitos e muitos anos ainda hoje as belas artes e agora muito mais a cultura em sua totalidade abrangendo a culinária, patrimônio, línguas, costumes e tal, está ainda dependente, e com razão, dos “mecenas”, dos patrocinadores que por aí buscamos. A cada dia vem sendo desenvolvido e pensado os incentivos fiscais para que seja mais efetivo a participação de empresas e pessoas físicas. Ponto positivo.

Na área da cultura, no Brasil, temos leis federais, estaduais e municipais. A grosso modo, a empresa deposita na conta do projeto cultural o valor X, guarda o recibo e na hora de pagar o imposto faz o abatimento de acordo com as normas. Mas isso tem virado regra e deixado de lado o foco principal que  não é convencer o patrocinador a te “adiantar um imposto” e sim a investir no seu projeto.

Infelizmente essa postura de muitos tem se deixado, erroneamente, a impressão de que as leis de incentivo e editais estão vinculados aos projetos e vice-versa. Com a quantidade de novos projetos e novas possibilidades estão quase todos, patrocinadores e patrocinados, VICIADOS em patrocínios apenas via leis de incentivo. Ponto negativo.

Quando se elabora e escreve um projeto o principal objetivo dever ser realiza-lo, de uma forma ou de outra. Muita gente me procura para auxiliar nos problemas com captação. Costumo dizer sempre que o mais fácil é escrever e aprovar um projeto, o difícil, mesmo é vender o projeto para o possível patrocinador. Então temos que criar projetos realizáveis e trabalhar de forma que possamos convencer este Mecenas de que vale a pena patrocinar, com ou sem lei de incentivo. Precisamos achar o apelo que encantará o patrocinador além de um desconto em impostos.

Gostou? Curta e comente. Partilhe pois o conhecimento deve circular. 

 

O QUE PROJETOS CULTURAIS TEM A VER COM UMA RECEITA DE BOLO???

@PROJETOSEstamos numa época em que se fala tanto de culinária e temos tantas receitas  programas de TV, publicações, canais no youtube e mais sobre o assunto.

Escrever projetos É COMO CRIAR UMA RECEITA DE BOLO. Há muito tempo falo para meus alunos que escrever um projeto é como criar uma receita qualquer, como uma receita de bolo por exemplo. Tem que ter começo, meio e fim. Tem que ter ingredientes e modo de fazer. É um passo a passo para executar o projeto, do bolo. E em projetos culturais, sociais e outros o conceito é o mesmo.

O que é a receita = do que se trata o projeto, porque quis fazê-lo, porque ele é importante, o que pretende com ele.

Ingredientes: quais os recursos humanos, quais os recursos materiais, qual estrutura, qual logístia seu projeto irá precisar. No caso dos nosso projetos, cada um deles com seu orçamento especificado.

Mise en place: Etapa inicial para o preparo de qualquer prato, na qual separam-se todos os utensílios e ingredientes necessários para executá-lo. Antes de iniciar a execução de um projeto temos que ler, levantar as informações necessária, contratar as pessoas, locais etc. Marilia_e_Roberto-820

Modo de fazer: A receita x ingredientes x  tempo = cronogramas de execução variados.

Como servir: decoração, divulgação, custos para o público, distribuição etc.

A brincadeira e a alusão à receitas é para também mostrar que não é nenhum bicho de sete cabeças escrever e executar um projeto.

Gostou? Curta e comente. Siga nosso blog. E principalmente compartilhe se achar que pode ser útil para seus amigos e colegas. Informação tem que circular.

“REDE COLABORATIVA DE PRODUÇÃO” – A NOVIDADE QUE VAI LIGAR OS PONTOS DA PRODUÇÃO CULTURAL NO BRASIL

@O Brasil é um país com proporções gigantescas e as dificuldades, quando o objetivo é trabalhar com distribuição de algum produto ou serviço em todas as regiões, são também gigantes. Imagine então o quanto é difícil para os profissionais da área da cultura conseguir este feito.

Até mesmo as grandes produções encontram dificuldades. E para completar, ainda temos o “custo Brasil” que assusta o bolso do empreendedor.

Acontece que o artista, o oficineiro, o fazedor de cultura quer levar sua arte, seu recado para todo canto.  Tem um CD e quer lançar, tem um livro e quer mostrar, tem espetáculos artísticos e quer se apresentar tem seus cursos e quer ensinar. E quer fazer tudo isso em todo o Brasil, nas principais capitais, em todas as regiões.

É praticamente impossível, um único produtor cultural, dominar todo conhecimento e ter tanta informação perecível, que necessita de atualização constante, sobre locais, contatos, serviços e outros itens do check list de uma produção.

Entendendo essa dificuldade é que surgiu a ideia de “ligar os pontos” desses contatos e informações de alguma forma.

O TOQUE

Tudo começou com o Jornal O Toque, publicação que circulou impressa e também on line entre 2002 a 2004  (faremos uma matéria sobre o Jornal O Toque, a equipe de criadores etc.). No site do jornal seria colocado informações importantes como produtores, locais, gráficas, jornais, rádios etc. de todo o Brasil. Era um banco de dados onde a pessoa poderia entrar e alimentar esta informação. Depois todos poderiam pesquisar e ver o resultado para cada item que precisasse. O jornal deu certo. Mas o sistema de informações de produção nunca deu certo, pois, ninguém alimentava. Não queriam partilhar informação. E após anos de pesquisa, tentativas e adaptação e experimentações da ideia, surge um projeto, já em andamento, que chama REDE COLABORATIVA DE PRODUÇÃO.

Janaina Leite e eu - o café de Istabul, que não é coado

Marília de Lima e Janaina Leite – sócias na Lima Projetos e Eventos.

Este projeto da RedeCP, é produzido e coordenado por Janaina Leite e Marília de Lima, sócias na Lima Projetos e Eventos. O projeto é criar uma ferramenta facilitadora do trabalho do produtor cultural e de eventos na área cultural. O trabalho será realizado no formato crowdsourcing onde todos ajudarão a construir as etapas e o conteúdo. O formato de “rede” fará o sistema de manutenção das informações acontecer de forma diferente, hibrida, pró ativa e que vai gerar inúmeros benefícios para os participantes.

A intenção é fortalecer a rede em todo o Brasil. Construir parcerias para informações rápidas e confiáveis sobre todas as etapas de uma produção. Organizar e partilhar informações confiáveis possam ser obtidas rápida e continuamente sobre: editais, leis, locais para eventos, gráficas, serviços variados, hotéis, transporte, profissionais, contatos com o governo, jornalistas, rádios e imprensa em geral etc.

Mas o principal objetivo é criar circuitos de cultura onde os produtores trabalhem em conjunto para viabilizar tournés nas mais variadas regiões do Brasil. Eventos como lançamentos de CDs, espetáculos de teatro, exposições,lançamento de livros, cursos e palestras etc. Diminuindo custos, aumentando a visibilidade e distribuição, gerando trabalho para os profissionais locais e fomentando o mercado cultural em todo o país.

Haverá a construção de conexões que beneficiarão a todos os participante a partir de um evento anual onde os produtores, managers e artistas possam levar seu trabalho, suas propostas e negociar as apresentações durante o próximo ano. Será como uma grande feira para gerar oportunidades e negócios para toda a cadeia produtiva da cultura.

O projeto está ainda sendo elaborado E VOCÊ PODE PARTICIPAR DESTA CONSTRUÇÃO.  Em outubro de 2015 acontecerá em São Paulo o 1° Encontro da REDE COLABORATIVA DE PRODUÇÃO. O evento será presencial e online para que o maior número possível de profissionais da cultura, em todo o país, possam participar.

Este projeto já conta com apoio de diversos profissionais e entidades.  Mande agora sua opinião, sugestão e intenção de participar ou de ser nosso parceiro. O email limaprojetoseventos@gmail.com – aos cuidados de Janaina LeiteMarília de Lima.

Na próxima edição falaremos um pouco mais do andamento desse projeto.

Gostou? Curta e comente. Aproveite e compartilhe para construirmos de verdade uma REDE COLABORATIVA DE PRODUÇÃO.