PROJETO DE LEI PARA REGULAMENTAR A LEI ROUANET

download (18)A Lei Rouanet está mesmo dando o que falar. Por essas e por outras que muito deputado começa a olhar mais para a cultura, o que para os trabalhadores do setor, isso bom. Mas será que, assim como as matérias plantadas na mídia, a criação de novas leis não tem apenas motivos politiqueiros?

Neste movimento que o deputado federal Benjamin Maranhão (SD) apresentou nesta quarta-feira (24), no Congresso, Projeto de Lei (Nº 4526/2016) para proibir a captação de recursos a eventos culturais que gerem lucro, através da Lei Rouanet. O objetivo é garantir a democratização de acesso ao incentivo criado pelo Governo em 1991 para estimular a produção cultural nacional.

Você pode aqui ouvir meu podcast onde falo sobre O QUE É A LEI ROUANET.

É preciso entender o que é a lei, como funciona, quais os benefícios e beneficiados. Vejo como muito negativo as matérias aos montes falando da Claudia Leite como se a lei se resumisse a isso ou que estes tipos de projetos. Não, isso não é verdade.São mais de 3 mil projetos, em todo o Brasil sendo aprovados anualmente e menos de 10% com figuras como a “Claudinha”. Mas, se olharmos o outro lado, talvez seja uma oportunidade para discutir, na grande mídia, como funciona e quais são as necessidades da cultura. E principalmente, a votação e a criação de leis que vão ajudar a melhorar esse cenário.

O deputado federal Benjamin Maranhão (SD) apresentou o Projeto de Lei (Nº 4526/2016) para proibir a captação de recursos a eventos culturais que gerem lucro, através da Lei Rouanet. O objetivo é garantir a democratização de acesso ao incentivo criado pelo Governo em 1991 para estimular a produção cultural nacional. Ele sugere que seja acrescido o inciso 4º ao artigo 2º da Lei Rouanet, vedando a concessão do benefício aos projetos com essas características. Segundo ele “Não podemos acreditar que artistas consagrados, que arrastam multidões e faturam milhões, precisem da lei de incentivo à cultura. Esse instrumento deve ser utilizado para promover projetos que necessitem de estímulo para acontecerem e que possam, de fato, contribuir com a propagação da arte e da cultura do nosso povo”.

A lei é sim para todos e não vejo problema, legal, que a Claudia Leite tenha aprovado um projeto. O problema talvez seja moral, mas para isso serão anos de educação pela frente, outra história. Mas não podemos esquecer que ela não é a única, que o valor era baixo e que nem tinha captado. Agora então já cancelou, pronto. Mas pela lei já passaram Zeca Pagodinho, Cirque du Soleil, Zélia Duncam, Fernanda Montenegro e tantos outros atores globais. A lei é para todos e por isso estão em seu direito. O que precisa é de regulamentação. Regulamentação agora proposta pelo deputado Benjamin Maranhão.

A única questão que devemos pensar, discutir e acompanhar é “como será a avaliação do GERAR LUCRO? “. Tudo na cultura é muito subjetivo e sem condições de métricas pré estabelecidas. Existem projetos caríssimos e de grande valor cultural, que necessitam de apoio do governo, é assim em todo o mundo. Mesmo que cobrem ingresso. Esse é o caso de praticamente todos os museus do mundo.  Para muitos, fazer algo gratuito a principio, pode ser bom como marketing e num futuro ser usado como gerador de receita, veja marketing com dinheiro público.

Ficam então as perguntas: Como serão estas avaliações? A própria Claudia Leite poderia então entrar com um projeto onde não cobrasse nada? A lei será só pra quem é pobre e não tem dinheiro?  Uma pessoa famosa não poderá apresentar projetos? Isso não é violar a constituição quando excluímos se pobres ou ricos? E ainda assim, qual a métrica para definir isso? Talvez, não seria melhor aprovar algo, que está sendo proposto há anos, onde a grande diferença está no tamanho das porcentagens? Onde as Claudias Leites poderiam participar, mas por pontuação, levando em conta N fatores, seria aprovada mas a empresa teria somente 10 ou 20% de desconto, enquanto um cantor que estivesse em início de carreira tivesse 100%?

Enfim, as discussões sobre a cultura não começaram agora, há mais de 12 anos tem muita gente discutindo seriamente todas as nuances, caminhos e “se” deste setor tão importante para o desenvolvimento de um país. Estamos caminhando, um dia de cada vez. Mas muito já se andou. Poderia inclusive sugerir aos jornalistas e deputados de plantão que fizessem uma pesquisa sobre o Plano Nacional de Cultura.

Gostou? Curta e comente. E principalmente COMPARTILHE, conhecimento tem que circular.

PATROCINIO CULTURAL NÃO É VINCULADO, NEM DEVE SER, ÀS LEIS DE INCENTIVO

(texto publicado há dois anos)

Resolvi escrever este texto pois há muito venho dizendo ao pessoal da cultura que elaborar projetos e procurar patrocinadores não é vinculado ao cadastro em leis de incentivo ou editais. Os projetos e os patrocínios devem e acontecem independente de ter ou não uma lei ou edital para tal.

Para entender um pouco mais trouxe o primeiro “mecenas” Gaius Maecenas ou Caio Cílnio Mecenas (68-8 a.C.), conselheiro do imperador Cesar Augusto o filho de Júlio César. Ele criou a sua volta a permanência de amigos intelectuais e artistas. Era um patrocinador de todos, tornando-se um modelo para vários outros governantes e pessoas importantes. Tudo isso sempre com a intenção também de melhorar a própria imagem. ImagemDesde então, com toda essa fama e modelo copiado, o termo “mecenas” se tornou adjetivo para aqueles que patrocinavam as artes e os seus artistas. E claro esse patrocínio veio sempre com a contrapartida da fama e da boa imagem para quem o fazia.

Passados muitos e muitos anos ainda hoje as belas artes e agora muito mais a cultura em sua totalidade abrangendo a culinária, patrimônio, línguas, costumes e tal, está ainda dependente, e com razão, dos “mecenas”, dos patrocinadores que por aí buscamos. O mecenato, ou patrocínio, tem dois pontos de atuação: o cultural e o social. Nas duas áreas vem sendo desenvolvido e pensado os incentivos fiscais para que seja mais efetivo a participação de empresas e pessoas físicas. Ponto positivo.

Na área da cultura, no Brasil, temos leis federais, estaduais e municipais. As leis federais principais e efetivas são a Rouanet e a Lei do Audiovisual voltada para o cinema. A Rouanet, antiga lei Sarney, trabalha com incentivos das empresas e pessoas físicas através do IR e o abatimento variando até 100%. As leis estaduais trabalham com incentivos através do ICMS, só podem patrocinar empresas, e as porcentagens de abatimento na maioria dos estados (quase todos já tem sua lei de incentivo) é de 80% e 20% tem que sair efetivamente do bolso da empresa. No estado de São Paulo, o Proac, lei estadual, o abatimento é de 100% do valor patrocinado. As leis municipais são variáveis de acordo com o município e trabalham com o IPTU e ISS para os incentivos. A grosso modo, a empresa deposita na conta do projeto cultural o valor X, guarda o recibo e na hora de pagar o imposto faz o abatimento de acordo com as normas.

Muito legal né? Só que com essa prática, e com o aumento dos cursos sobre projetos e produção cultural, captação de recursos e outros, tem se deixado, erroneamente, a impressão de que as leis de incentivo e editais estão vinculados aos projetos e vice-versa. Com a quantidade de novos projetos e novas possibilidades estão quase todos, patrocinadores e patrocinados, VICIADOS em patrocínios apenas via leis de incentivo. Ponto negativo.

Quando se elabora e escreve um projeto o principal objetivo dever ser realiza-lo, de uma forma ou de outra. Muita gente me procura para auxiliar nos problemas com captação. Costumo dizer sempre que o mais fácil é escrever e aprovar um projeto, o difícil, mesmo é vender o projeto para o possível patrocinador.

Diante destas dificuldades tenho 7 conselhos resumidos e que são bons porque nos meus cursos eles são mais detalhados e são pagos (risos):

1- Faça um projeto porque você tem uma boa ideia e de um tema que você tem conhecimento.  A regra em vendas é que “ninguém vende aquilo que não acredita e que não conhece”.

2- Faça uma projeção de gastos pensando também em parcerias, permutas e outros tipos possíveis de entrada de recursos, pagamento ou aquisição dos itens do seu projeto.

3 –Se você pensa em dinheiro porque não pensar em ações de sustentabilidade? Exemplos: jantar pago, ingresso antecipado, compra de cotas do livro ou CD, uma festa, venda de camisetas etc.

4 – Construa um plano de negócios, de possibilidades de patrocínio e cotas, não só baseado em incentivo.

5 – Quando abordar uma empresa não pense somente no projeto em si. Pense que esta empresa poderá ser uma parceira para vários momentos.

6 – Pense e repense a sua planilha financeira para que sempre tenha formas alternativas para readequar os orçamentos.

7- NUNCA, repito NUNCA, aborde um possível patrocinador falando de imediato que o projeto está em lei X ou Y. Esta informação é a “Cereja do bolo”.

Com estes conselhos sei que você terá muitas ideias. Acredite no seu projeto, acredite que ele é um bom negócio para o patrocinador.

A INTELIGÊNCIA é entender que PATROCÍNIO CULTURAL É INDEPENDENTE DE LEI DE INCENTIVO. Patrocínio é uma via de mão dupla, é um ganha X ganha. Mas, sendo você o maior interessado, tente construir os argumentos necessários para o convencimento. Vender também é uma arte.

QUERO TE ENVIAR SEMPRE INFORMAÇÕES EXCLUSIVAS SOBRE PROJETOS, EVENTOS E MUITO MAIS e isso eu só compartilho com quem é VIP. Para isso faça aqui sua inscrição para participar também.

GostouCurta, comente e compartilhe. 😉

10 DICAS SOBRE CAPTAÇÃO DE RECURSOS

IMG_4808Meninas e Meninos,

Preparei estas 10 dicas para você pensar na captação de recursos do seu projeto:

🙂    1 – Tenha um bom projeto – um bom projeto é bem escrito, é coerente, tem diferencial que encanta e principalmente é parte do seu sonho e da sua carreira.

🙂    2 – Faça um projeto que realmente vá realizar a qualquer custo. Não perca tempo por algo que só vai tentar em lei de incentivo pois esse é apenas um dos vários caminhos.

🙂    3 – Após o projeto pronto, aprovado ou não em uma lei de incentivo, faça um material de vendas convincente. Primeiro convença do porque é bom e depois fale de valores e incentivos. 

🙂    4- Não caia no erro de achar que você ou seu projeto é importante ou inédito, como você um milhão de pessoas pensam assim. Defina qual a sua importância e a do seu projeto para a empresa e para o mundo.

🙂   5- Esqueça o discurso antigo e que não convence ninguém que a empresa ou pessoa tem que investir em cultura é importante, quase uma obrigação. Não é assim que funciona. 

🙂    6 – Seu projeto está numa lei. Ok. Mas isso não é nada, tem um monte que está. Pense e monte argumentos do porque é melhor investir no seu projeto do que em outro. 

🙂    7 – Pense em várias possibilidades de captação de recursos: parcerias, financiamento coletivo (crowdfunding), venda antecipada, sócios investidores, várias leis de incentivo etc. 

🙂   8 – Não ache que porque está em uma lei, na mão de um captador, em um site de financiamento tudo vai dar certo….você precisa continuar trabalhando a sua participação é fundamental. 

🙂    9 – Entende que o NÃO já é seu… vá atrás do sim. Mas entenda que é a arte de vender e não de obrigar. 

🙂    10- Seja criativo. Seja proativo. Seja inteligênte. Não desista. Não é impossível. 

GostouCurta, comente e compartilhe. 

QUERO TE ENVIAR SEMPRE INFORMAÇÕES EXCLUSIVAS SOBRE PROJETOS, EVENTOS E MUITO MAIS e isso eu só compartilho com quem é VIP. Para isso faça aqui sua inscrição para participar também. 🙂

PATROCÍNIO CULTURAL NÃO PRECISA SER VIA LEI DE INCENTIVO

@PROJETOSOs projetos e os patrocínios devem, e acontecem, independente de ter ou não uma lei ou edital de incentivo.

Para entender um pouco mais trouxe o primeiro “mecenas” Gaius Maecenas ou Caio Cílnio Mecenas (68-8 a.C.), conselheiro do imperador Cesar Augusto o filho de Júlio César. Ele criou a sua volta a permanência de amigos intelectuais e artistas. Era um patrocinador de todos, tornando-se um modelo para vários outros governantes e pessoas importantes. Tudo isso sempre com a intenção também de melhorar a própria imagem. ImagemDesde então, com toda essa fama e modelo copiado, o termo “mecenas” se tornou adjetivo para aqueles que patrocinavam as artes e os seus artistas. E claro esse patrocínio veio sempre com a contrapartida da fama e da boa imagem para quem o fazia.

Passados muitos e muitos anos ainda hoje as belas artes e agora muito mais a cultura em sua totalidade abrangendo a culinária, patrimônio, línguas, costumes e tal, está ainda dependente, e com razão, dos “mecenas”, dos patrocinadores que por aí buscamos. A cada dia vem sendo desenvolvido e pensado os incentivos fiscais para que seja mais efetivo a participação de empresas e pessoas físicas. Ponto positivo.

Na área da cultura, no Brasil, temos leis federais, estaduais e municipais. A grosso modo, a empresa deposita na conta do projeto cultural o valor X, guarda o recibo e na hora de pagar o imposto faz o abatimento de acordo com as normas. Mas isso tem virado regra e deixado de lado o foco principal que  não é convencer o patrocinador a te “adiantar um imposto” e sim a investir no seu projeto.

Infelizmente essa postura de muitos tem se deixado, erroneamente, a impressão de que as leis de incentivo e editais estão vinculados aos projetos e vice-versa. Com a quantidade de novos projetos e novas possibilidades estão quase todos, patrocinadores e patrocinados, VICIADOS em patrocínios apenas via leis de incentivo. Ponto negativo.

Quando se elabora e escreve um projeto o principal objetivo dever ser realiza-lo, de uma forma ou de outra. Muita gente me procura para auxiliar nos problemas com captação. Costumo dizer sempre que o mais fácil é escrever e aprovar um projeto, o difícil, mesmo é vender o projeto para o possível patrocinador. Então temos que criar projetos realizáveis e trabalhar de forma que possamos convencer este Mecenas de que vale a pena patrocinar, com ou sem lei de incentivo. Precisamos achar o apelo que encantará o patrocinador além de um desconto em impostos.

Gostou? Curta e comente. Partilhe pois o conhecimento deve circular. 

 

TIRE DA GAVETA SEUS PROJETOS PARA 2015

imagesJá pensou e já fez seu planejamento de trabalho e de conquistas para 2015????? Então tá na hora de parar para pensar nisso. Sábado dia 13 de dezembro de 2014, no THE BARD, das 9 às 12 horas você irá fazer comigo esse exercício. (www.thebard.com.br)

“Nietzsche declarou: “E se você olhar por muito tempo em um abismo, o abismo olha também para dentro de você.”

Pare de olhar o abismo e comece a construir o futuro que você deseja. Quantas vezes você viu algum projeto ou empreendimento despontar e começar a ser sucesso e falou “poxa, eu já tinha pensado nisso!”? Quantas vezes você viu uma pessoa conquistando um objetivo e pensou “poxa eu também poderia, mas tento e não consigo”? Isso acontece com muita gente, principalmente os que criam em suas mentes ideias de projetos, soluções para diversos problemas ou necessidades, coisas criativas. Mas ficam no universo das ideias e não passam dos sonhos. É necessário colocar em prática estes sonhos para não correr o risco de “perder” sua ideia. Não importa se você no meio do caminho terá que refazer prazos ou não, se terá os recursos ou não, mas o planejamento, o projeto, te deixará mais próximo do objetivo. Jung com seus arquétipos e teorias dizia que o inconsciente coletivo é algo comum entre todos. Esse inconsciente é como se fosse um banco de dados do universo e é dele que vêm nossas ideias. Nossas ideias são fruto da assimilação das necessidades, possibilidades, oportunidades e outros, com as ferramentas que possuímos. Enfim, é como se cada um colocasse no liquidificador seu conteúdo e o conteúdo externo, batesse e fizesse uma vitamina, essa é a ideia. Mas assim como você, outras pessoas podem ter quase os mesmos ingredientes, e é aí que projetos parecidos nascem. Portanto, faça já.

Essa palestra tem o objetivo de orientar e fazer com você um exercício de avaliação pessoal e definição, no papel dos seus objetivos e ações para 2015. Na área pessoal, profissional, da sua saúde, familiar, amorosa e por aí vai. Você vai construir comigo uma agenda para o próximo ano e assim definir melhor o seu caminho. “Quem não sabe para onde ir, qualquer caminho serve”

Te espero por lá.

Consulte por email, mariliadelima@gmail.com, este curso agora em dezembro via online para você participar de qualquer parte do mundo.

Invista em Conhecimento, veja nossa agenda para dezembro de 2014

Conhecimento quanto mais se tem, mais se quer ter. Conhecimento é a chave do sucesso, do crescimento pessoal. Conhecimento te ajuda a ser mais criativo, mais proativo e mais empreendedor.

Veja agora os cursos que preparei pra você para finalizar este ano maravilhoso de 2014.

AGENDA DEZEMBRO 2014

Curso: Inteligência na Elaboração e Gestão de Projetos

Online – investimento R$ 360,00 – 01 dez a 28 fevereiro – 24 h

Presencial – investimento R$ 360,00 – 15, 16 e 17 dezembro – 9 h

Passo a passo da elaboração • baseado nas técnicas do PMI• Gestão do Projeto• Planilhas de controle• Leis de Incentivo• Captação de Recursos• Plano de Mídia• Prestação de contas • E muito mais conteúdo para elaborar seus projetos.

E mais…

Palestra: etiqueta inteligente

Gratuito -1 hora – 03 dezembro –  online

Workshop: Tire seus projetos da gaveta em 2015

R$ 80,00 – 3 horas

04 dez – online só para convidados- Brasil

06 dez –  presencial aberto – Caxambu MG

13 dez – presencial aberto – São Paulo SP

Curso: Como Participar com Inteligência nas Feiras de Negócios

R$ 400,00-8 horas – 11 dezembro – presencial – São Paulo SP

Descontos especiais para grupos. Desconto de 30% para estudantes. Promoções na nossa fampage do Facebook semanalmente.  Fique ligado.

Invista em você, invista em conhecimento.

divulgação dos cursos

INVISTA NO SEU CONHECIMENTO E RECICLAGEM – CONFIRA NOSSA AGENDA

Olá, segue abaixo a agenda dos meus cursos para você fazer em outubro ou novembro, on line ou presencial.  Em São Paulo ou de qualquer lugar do Brasil ou do mundo. E dois deles são quase de graça.

** WORKSHOP QUASE DE GRAÇA –– INTELIGÊNCIA DA ETIQUETA PARA QUALQUER OCASIÃO OU EVENTO

IMG_8022-001Etiqueta à mesa em qualquer ocasião. Etiqueta nas redes sociais. Etiqueta nos negócios. Etiqueta para se vestir adequadamente em qualquer ocasião. Cerimonial e protocolo etc.. Assim você aprende o que fazer na hora de organizar seu evento, de participar de outros, de fazer negócios, de divulgar seus projetos.

CURSO ON LINE:  de R$80,00 (oitenta reais )  por apenas “R$ UMA CURTIDA NA FANPAGE E UM RECADINHO NO SITE” – Participe já .

 ****************************

** WORKSHOP QUASE DE GRAÇA – LEI ROUANET, PROAC ICMS E OUTRAS LEIS DE INCENTIVO – PARTICIPANDO COM INTELIGÊNCIA

download (2)
Como funciona cada lei, quais são os ítens necessários para os projetos serem cadastrados, como funciona o patrocínio. Quando usar, como usar e muito mais.

CURSO ON LINE:  de R$80,00 (oitenta reais )  por apenas “R$ UMA CURTIDA NA FANPAGE E UM RECADINHO NO SITE” – Participe já .

************************************************

** CURSO – INTELIGÊNCIA NA ELABORAÇÃO E GESTÃO DE PROJETOS (ON LINE OU PRESENCIAL)

Aprenda passo a passo a elaborar seus projetos para a cult868DD1CE-B41E-47BA-9F14-064D3F01862Eura, turismo, social, economia criativa, setor 2.5 e outros. Baseados nas técnicas do PMI você aprenderá não só a escrever o documento do projeto, mas também a pensar com inteligência nesta construção. Aprenderá conceitos efetivos de patrocínio e viabilização do seu projeto bem como a gestão e prestação de contas. Um curso completo para quem quer melhorar a seu desempenho ou aprender.

CURSO ON LINE: Faça a partir do dia 20 de outubro. – Investimento: R$ 180,00 (cento e oitenta reais) – desconto para inscrições feitas até dia 10 de outubro.

CURSO PRESENCIAL: SEGUNDA QUINZENA DE NOVEMBRO. – Investimento: R$ 550,00 (Quinhentos e cinqüenta reais) – desconto para inscrições feitas até dia 20 de outubro. – VAGAS LIMITADAS

*********************************************************

 ** CURSO – INTELIGÊNCIA NA PARTICIPAÇÃO DE FEIRAS DE NEGÓCIOS

8075-AndroidStand

Vai participar de uma feira de negócios grande ou pequena? Já participa? Venha aprender ou reciclar seus conhecimentos. Saber mais sobre a escolha de um estande e seu espaço veja as tendências e melhores formas de construir um estande chamativo e prático para suas necessidades.  Como avaliar resultados de visitação e negócios. Gerenciamento de leads. Novidades. Gerenciamento do projeto e muito mais.

CURSO PRESENCIAL: SEGUNDA QUINZENA DE NOVEMBRO. – Investimento: R$ 780,00 (setecentos e oitenta reais) – desconto para inscrições feitas até dia 20 de outubro. – VAGAS LIMITADAS

 

MAIS INFORMAÇÕES POR EMAIL mariliadelima@gmail.com ou AQUI.

“A ponte entre você e seu objetivo.”