CROWDFUNDING UMA BOA IDÉIA QUE NÃO É NOVA, SHAKESPEARE JÁ FAZIA ISSO

@IDEIASComo já disse todo domingo vamos falar de idéias. No post passado falei como podemos potencializar o nosso cérebro e assim ter mais idéias. Agora vou falar pra vocês sobre idéias que acontecem em variados lugares do mundo, e muito no Brasil, claro. Há o ditado de que “nada se cria, tudo se copia”. Então observem o mundo e vejam se tem algo que você possa copiar e recriar. Mas também veja se pensa em algo realmente bom e inédito. Caso isso aconteça, execute e depois venha contar aqui pra gente.

CROWDFUNDING É UMA BOA IDÉIA, MAS FOI RECRIADA

@criativo2

IMAGEM montada PUBLICADA NA REVISTA http://www.fastcompany.com – na matéria THE APP’S THE THING: SHAKESPEARE, REBOOTED – por BY DAVID ZAX (direitos reservados)

Crowdfunding, com suas ferramentas on line, é uma modernidade que surgiu a pouco no mundo. Mais recentemente no Brasil.  Crowd – multidão e Funding – financiamento é uma forma de fazer com que os interessados no nosso produto ou serviço possam adiantar o dinheiro para esta produção e só depois receber o mesmo.

Porém, a ferramenta on line é novidade, mas o sistema não. Shakespeare provavelmente é o precursor de financiamentos coletivos. Sem dinheiro para todas as produções de um teatro onde era um tipo de sócio, ele arrecadava dos apoiadores verbas antecipadas para produção de peças. Estes apoiadores teriam depois lugar cativo e VIP para as apresentações.

@33Em São Paulo, João Bá, músico e compositor brejeiro da Música Brasileira, também já fazia seu crowdfunding nas baladas e circuitos alternativos da capital. Criava cartõezinhos com um “vale Disco” e era assim que pagava a produção de seus álbuns. Quando finalizava ia entregando em shows ou pontos de vendas para os que compraram.

@11@22Por todo o mundo, e mesmo vocês, devem ter histórias como estas. Mas hoje, as plataformas são modelos de negócios da Economia Criativa. E são lucrativos. A idéia já estava circulando e sendo praticada. Alguém veio e criou um projeto maior com base na idéia inicial.

Então pense…. o que será que tem por aí, acontecendo, e que você poderia reinventar e melhorar?

Gostou do post? Curta e comente. Compartilhe sempre para circular as idéias. Aproveite o domingo.

O TURISMO, A CULTURA E A BROADWAY

@TURISMOComo já comentei no post passado estive na WTM Latin America, uma grande feira de turismo internacional que aconteceu em abril aqui em SP. Um dos estandes que visitei foi o de Nova York. Neste foi um dos estandes onde vi exemplos de como é organizado o turismo e a cultura por lá. Além de folhetos e mais folhetos sobre a cidade, seus roteiros, hotéis, transporte e outros tinha muita coisa cultural.

– Visita guiada pela cidade contando sua história,

– visita a prédios que são patrimônio histórico,

– vários roteiros para visitar museus temáticos ou com obras de arte,

– Guia das principais galerias de arte etc.

Estas são ações que gostaria de falar com vocês em outro post. Mas neste quero falar sobre um guia da Broadway que muito me interessou.

IMG_20150508_140523597A Broadway é uma (larga) Avenida em Nova York, EUA. Ela atravessa o condado de Manhattan e do Bronx. Além de ser famosa por ter virado um cartão postal usado em filmes e programas de TV ela é muito famosa por ter mais de 43 teatros onde constantemente abriga dezenas de produções famosas, com gente famosa e que faz tanto sucesso que chega a ficar em cartaz por anos. Quem visita Nova York obrigatoriamente passa pela avenida. Faz parte do roteiro.

Pois bem, além deste guia com toda a programação dos teatros e informações dos mesmos existe também um serviço para levar o turista aos teatros. São roteiros com guias e transporte incluído. Falam espanhol, português, francês etc. Serviço, assim como os outros que citei acima, que podem ser contratados aqui no Brasil, quando for comprar a sua viagem.

Temos em São Paulo o Guia Off e algumas outras publicações. Mas precisamos melhorar muito a nossa performance com relação à estrutura de oferta dos produtos culturais aos turistas. Não temos material adequado nos hotéis, não temos material adequado em inglês e espanhol no mínimo. Não temos o nosso turismo e muito menos a nossa cultura organizada para conseguir alcançar este público que tanto quer descobrir atrações variadas na cidade que estão visitando. Na maioria das vezes a atração em São Paulo se resume nos prédios culturais e museus mais conhecidos e na culinária.

No Rio de Janeiro não é diferente mesmo sendo uma cidade ainda mais visitada por estrangeiro e berço de grandes novidades culturais. Conversando com um profissional de turismo receptivo do Rio ele me confessou que o turista internacional, que ele atende muito, acaba tendo informações sobre boates, danceterias e praia. O circuito cultural e das atividades culturais tem que ser descoberto “a força”. Reclamou até que o Jornal O Globo, praticamente o único que existe agora segundo ele, eliminou a agenda cultural diária da publicação.

Acredito que na maioria das capitais seja assim também. No interior nem se fala. Nossa organização do turismo está melhorando, mas a organização das ofertas culturais ainda tem muito que aprender.

O que é bom nisso? Que o mercado ainda tem muita demanda e lacunas para serem preenchidas pelos empreendedores da economia criativa.

Idéias como: – Receptivo cultural para circuitos de shows, galerias, prédios tombados etc. ou – Visitas guiadas em espaços culturais. Podem ser implantadas e gerar um sucesso de negócio. Isso pode ainda não ter sido pensado na sua cidade ou região. Veja o que já tem e pense no que pode inovar. Fica aí minha dica de cada vez mais aproximar turismo e cultura e juntos serem um bom negócio.

Gostou? Curta e comente. Compartilhe as idéias e informações, pois conhecimento e conteúdo devem circular.

 

CONHECIMENTO E EXERCÍCIO DO PENSAMENTO PARA TER BOAS IDÉIAS

@IDEIAS@Primeiro: Na década de 1940 e 1950 foi desenvolvida a teoria das Redes Neurais. As redes neurais não acumulam informações, elas aprendem através do processamento das informações que são açuladas por estímulos externos. É como uma dona de casa que em sua criatividade olha o que tem de ingredientes em casa e improvisa alguma comida com base nas experiências que tem. Mas as redes neurais são muito simples comparadas ao modelo que os inspirou: os nossos neurônios pois ao contrário dos artificiais que só recebem uma informação em cada um nós recebemos várias a todo momento.

@criativo4Segundo: Fiz um curso com o Roberto Shinyashiki o ano passado, em 2014, e ele tinha uma frase que usava o tempo todo “aumente o seu aquário”. No exemplo ele dava a um voluntário várias bolinhas de isopor para ser colocado em um aquário pequeno, estas não cabiam. Depois dava outro aquário maior e aí sim as bolinhas cabiam. O que ele estava querendo dizer era para ampliarmos o espaço onde processamos o conhecimento. E não somente acumular o conhecimento.

@criativo3Terceiro: Thomas Edson inventor da lâmpada incandescente teve uma grande idéia. Maravilha né ? Mas o que realmente ninguém sabe é que ele teve duas mil idéias para tentar fazer o projeto dar certo. Questionado por um jornalista sobre seus “fracassos” ele respondeu que não eram fracassos, que era conhecimento, pois já sabia então duas mil maneiras de não fazer uma lâmpada.

Com estas três historinhas posso dizer uma coisa pra vocês sobre idéias:

  • Quanto mais você acumula informação mais possibilidade de solucionar um problema ou de ter idéias. Faça seus neurônios trabalharem e aprender mais e mais. Não se aprende só na escola. Para aprender temos que observar, ouvir, ler, entender o mundo que nos cerca. Ser questionadores. Perguntar “por que”. Ser questionadores.
  • Não basta acumular informação, tem que ampliar o pensamento, olhar para todos os lados experimentando vários pontos de vista. Ampliar o seu aquário é abrir a mente. Conhecimento tem que circular. Informação não é pra ser guardada. É dando que se recebe. A roda tem que girar.
  • Para termos uma idéia é necessário usar o cérebro, muito, muito mesmo. Pensar e pensar. Ter uma idéia, ter a segunda, a terceira, a quarta e assim por diante. E só então escolhemos a melhor idéia das várias que tivemos.

Bem, aí estão as três primeiras dicas. A partir do próximo domingo vamos falar de idéias e vou te sugerir idéias. Vamos ter idéias juntos. Esse será nosso exercício.

E isso servirá para que? Para você empreender, para você criar projetos, eventos, planejar sua carreira, criar seu diferencial.